“Não é o momento de se discutir uma nova Constituição”, diz ministro Barroso, em palestra sobre os 30 anos da Carta

clique nas imagens para ampliar

“Não se pode negar que a nossa Carta Constitucional trouxe avanços. O constituinte de 1988 centrou sua preocupação no cidadão e não no Estado, garantindo direitos fundamentais para que todos pudessem viver com dignidade.” Com essa declaração, o desembargador Ricardo Rodrigues Cardozo, diretor-geral da EMERJ, abriu o evento “30 Anos da Constituição Brasileira”, nesta sexta-feira, 5 de outubro.

“Hoje é um dia especial, o dia em que a Constituição Cidadã completa 30 anos, já passando para a idade adulta, o que não significa que a Constituição deva ser substituída; porém, que possa ser alterada, de forma que ajuste seu conhecimento”, ressaltou o desembargador Milton Fernandes de Souza, presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ).

“Não é a Constituição ideal, se é que existe essa categoria. E talvez não seja sequer a Constituição da nossa maturidade, mas esta é a Constituição que nos serviu bem ao longo desse período de 30 anos. Portanto, não é o momento de se discutir nova Constituição e menos ainda de se convocar a assembleia constituinte, com um país polarizado e marcado ainda por ressentimentos recentes, como é o caso do Brasil. Até porque convocação de constituinte não é um ato de vontade individual; é um processo histórico de mobilização cívica e de formação de consensos relevantes no país. E nós não estamos diante nem de uma coisa nem de outra.” A declaração foi feita pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, durante a palestra que comemorou os 30 anos da Constituição. Ele lembrou que a Constituição de 1988 representou uma transição: “Foi a Constituição que nos ajudou a fazer a travessia bem-sucedida de um país autoritário, intolerante e, muitas vezes, violento para um Estado constitucional e democrático”.

Barroso citou o que considera conquistas dos últimos 30 anos, a partir da Constituição Cidadã: estabilidade monetária, inclusão social e aumento da escolaridade, da renda e da expectativa de vida. “Em uma geração, nós desmontamos a ditadura, a hiperinflação e a pobreza extrema”.

O ministro defendeu a adoção do sistema distrital misto, semelhante ao modelo adotado pela Alemanha. “Precisamos de uma reforma política capaz de produzir três resultados: baratear os custos das eleições – que está por trás de boa parte dos problemas de corrupção que nós enfrentamos –, aumentar a representatividade dos membros do parlamento e facilitar a governabilidade”, ressaltou.

Barroso disse acreditar em um futuro promissor para o país, que se dará por meio da educação das crianças: “ Um denominador comum, capaz de unir esquerda e direita é um projeto patriótico suprapartidário para elevar o nível da educação básica e preparar uma nova geração mais qualificada e mais produtiva”.

O ministro encerrou a palestra com o que considera um slogan próprio: “Não importa o que esteja acontecendo à sua volta. Faça o melhor papel que puder”.

Magistrados, outros operadores do Direito, servidores, estudantes e convidados lotaram o Tribunal Pleno do Fórum Central do Rio para o evento promovido pelos Fórum Permanente de Estudos Constitucionais, Administrativos, e de Políticas Públicas; e pelo Fórum Permanente de Direito Penal e Processual Penal, presididos respectivamente pelos desembargadores Cristina Tereza Gaulia e José Muiños Piñeiro Filho, que participaram do encontro. Entre as autoridades presentes estavam o desembargador Caetano Ernesto da Fonseca Costa e Rodrigo Crelier Zambão, procurador-geral do Estado do Rio de Janeiro.

Ao final do evento, o ministro Barroso lançou o livro “A República que ainda não foi”, coordenado por ele e pela professora Patrícia Perrone Campos Mello, que atuou como debatedora no evento. A obra trata dos 30 anos da Constituição na visão da Escola de Direito Constitucional da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde o ministro se formou, fez doutorado e leciona como professor titular. São mais de 600 páginas onde os autores, entre eles, muitos ex-alunos de Barroso, discorrem sobre o processo de redação do texto constitucional, a efetivação dos direitos fundamentais na Carta, a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) na aplicação das normas e as mudanças recentes do Direito.


05 de outubro de 2018.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ.



Magistrados EMERJ

MAGISTRADOS

Informações sobre cursos oficiais de formação e aperfeiçoamento.

Virtual EMERJ

VIRTUAL EMERJ

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Cursos oferecidos na modalidade a distância.

Portal Acadêmico EMERJ

PORTAL ACADÊMICO

Destinado aos alunos e professores do Curso de Especialização em Direito Público e Privado.

Eventos EMERJ

EVENTOS EMERJ GRATUITOS

Fóruns, seminários e ciclo de palestras destinadas ao público em geral.

Publicações Acadêmicas

PUBLICAÇÕES

Artigos jurídicos de diferentes áreas do direito.

Vídeo Institucional EMERJ


VÍDEO INSTITUCIONAL

Informativo EMERJ

INFORMATIVO

Divulgação de eventos, cursos e notícias.

Eventos Gravados

EVENTOS GRAVADOS

Seminários e ciclo de palestras realizados pela EMERJ.

Eventos Externos

EVENTOS EXTERNOS

Divulgação de eventos da área jurídica de outras instituições.

Lançamento de Livros

LANÇAMENTO DE LIVROS

Divulgação dos lançamentos de livros de autores da área jurídica.

EMERJ TV

EMERJ TV

Programação destinada ao público interno do Fórum Central.